PLANETA SUSTENTÁVEL

ENCONTRAR OS LIVROS DE WAGNER LUIZ MARQUES - DIGITANDO O NOME DE "WAGNER LUIZ MARQUES"


Pesquisar todo o texto de nossos livros

EDITORA QUANTUM – TREINAMENTOS

Editora Quantum 480 x 60

INVESTE MAIS – A REVISTA DO INVESTIDOR

Amostra Grátis 480 x 60 - www.revistainvestmais.com.br

REVISTA LIDERANÇA

Amostra Grátis 480 x 60  - www.lideraonline.com.br

REVISTA VENDA MAIS

Amostra Grátis 480 x 60 - www.vendamais.com.br

domingo, 20 de maio de 2012

SUSTENTABILIDADE HUMANA SÃO RELAÇÕES INTERPESSOAIS

AUTOCONHECIMENTO



O autoconhecimento significa o conhecimento sobre si mesmo. Se conhecer melhor faz com que uma pessoa tenha controle sobre suas emoções, independente de serem positivas ou não. O controle emocional provocado pelo autoconhecimento pode evitar sentimentos de baixa auto-estima, inquietude, frustração, ansiedade, instabilidade emocional e outros, atuando como importante exercício de bem-estar e ocasionando resoluções produtivas e conscientes acerca de seus variados problemas. Buscar o autoconhecimento a partir do conhecimento dos defeitos e qualidades pessoais.



O autoconhecimento faz com que o sujeito tem acesso privilegiado aos próprios pensamentos, isto é, conhece os próprios pensamentos de uma maneira que os outros usualmente não conhecem. A pessoa sabendo controlar o seu autoconhecimento consegue ter controle sob suas emoções.



Para que consigamos colocar em prática o controle do autoconhecimento, primeiramente precisamos realizar alguns questionamentos internos, sendo eles:



• O quanto você se conhece?

• Muito? ou pouco?



As pessoas acreditam que se conhece, mas na verdade se conhece muito pouco. Para responder a esta indagação, apresentamos alguns questionamentos internos a qual possa ajudar-nos a identificar o nosso autoconhecimento.



• Se você não se conhece, como quer acreditar mais em sua própria capacidade?

• Como quer ir em busca de seus sonhos se não acredita ser capaz?

• E por que não acredita ser capaz?



Portanto se o próprio sujeito não sabe quem é. Por isso, o autoconhecimento é fundamental para desenvolver o amor por si mesmo e fortalecer a auto-estima.



É muito difícil alguém se conhecer interiormente quando a busca está sempre no externo, a mudança deve acontecer de dentro para fora e, não mudar o corte do cabelo, comprar roupas, carros, eliminar alguns quilinhos.



Quando uma pessoa está bem com ela mesma, conhece pelo brilho em seu olhar, o sorriso em seu rosto, a paz em seu espírito. Para enriquecer ainda mais o espírito do autoconhecimento, devemos analisar mais alguns questionamentos conforme segue:



• Como alguém que dorme mal toda noite pode sentir paz?

• Como alguém que está constantemente se criticando, se culpando, se achando errada, pode se amar?



Amar a si mesmo é condição básica para elevar a auto-estima. Precisamos estar atentos para as nossas inseguranças, manias, incertezas e frustrações. Conhecer o autoconhecimento para assim elevar nossa auto-estima.



A auto-estima oscila de acordo com as situações e principalmente em como nos sentimos em relação a cada um delas.



Perceber que a auto-estima está baixa quando desenvolvemos algumas características como: insegurança, inadequação, perfeccionismo, dúvidas constantes, incerteza do que se é, sentimento vago de não ser capaz, de não conseguir realizar nada, não se permitindo errar e com muita necessidade de agradar, ser aprovada, reconhecida pelo que faz e nem sempre pelo que é.



A relação interpessoal é uma ação individual, a qual cada indivíduo necessita praticar ações que o leve a refletir sobre a busca do seu próprio conhecimento, sendo assim analise este exercício e responda interiormente.



• Vamos escrever apenas dez coisas que gostamos em nós mesmos.



• Agora, vamos escrever dez coisas que não gostamos em nós mesmos ou que gostaríamos de mudar.



Com as respostas prontas, vamos nos fazer duas perguntas:



• Foi fácil fazer esta lista?

• Qual delas foi mais fácil fazer?



Para aumentar o autoconhecimento é preciso ter consciência de quem se é de verdade, avaliando os pontos positivos tanto quanto os negativos, pois só assim seremos capazes de mudar aquilo que incomoda ou que faz sofrer e valorizar o que se tem de bom e que geralmente mergulhada em tantas críticas e cobranças, acaba-se por esquecer.



Precisamos desenvolver a capacidade e ter a consciência de saber que o que fazemos é o reflexo de quem somos.



Reconhecendo nossos pontos positivos, nos sentiremos mais confiantes em nossa capacidade de se conseguir o que quer que se deseje, independente das críticas ou opiniões que as pessoas terão sobre nós.



Devemos acreditar que somos capazes de conseguir tudo o que se deseja e mesmo que ninguém nos aprove, teremos autoconhecimento suficiente para nos aprovarmos e principalmente, amar a nós mesmos.



Empatia nos relacionamentos interpessoais



Empatia significa estar disposto a conhecer tanto os outros como a si mesmo. A empatia nos ajuda a nos libertar dos nossos padrões rígidos e repetitivos.



Quando vemos alguém sofrendo surge espontaneamente em nós o desejo de ajudar, simplesmente porque nesses momentos reconhecemos no outro alguém como nós e nos identificamos com ele.



A empatia começa com a capacidade de estarmos bem conosco mesmos, de reconhecermos o que não gostamos em nós e admirarmos nossas qualidades.



Ter empatia é o exercício de se fazer constantemente uma troca equilibrada entre ceder e requisitar, dar e receber afeto e atenção.



DESAPEGO



Significa não querermos o que é do outro, mas sim lutarmos pelo objetivo e estar preparado para o desafio em geral, temos o hábito de olhar apenas para nossas necessidades, mesmo quando pensamos ser generosos. Esta é a razão por que é tão difícil ajudar os outros: temos dificuldade de percebê-los nas suas necessidades.



CO-DEPENDÊNCIA



É uma pessoa que tem deixado o comportamento de outra pessoa afetá-la, e é obcecada em controlar o comportamento dessa outra pessoa.



Atitude co-dependente está gerando baixa auto-estima e falta de confiança se nos dedicarmos aos outros estivermos nos abandonando, mais à frente teremos de nos confrontar com as conseqüências de nossa atitude ignorante. É preciso deixar claro que ter empatia não tem nada a ver com a necessidade compulsiva de realizar os desejos alheios.



Empatia é compreender o outro em sua particularidade. Coisas que podem nos ajudar a entender o sentimento da empatia.



• Viajar, visitar lugares diferentes pode ter um efeito imediato sobre nossa empatia e nossa compreensão dos outros.

• Aprender com os fracassos, com os erros, exemplos que podemos nos inspirarmos é a história Abraham Lincoln, um dos maiores presidentes dos Estados Unidos, que sofreu mais fracassos do que a maioria das pessoas poderia tolerar, inclusive mortes na família e muitas derrotas nas eleições, mas assim mesmo foi vencedor.

• Não julgar ou manter preconceitos.



A relação interpessoal no mercado competitivo exige hoje uma estrutura organizacional que incentive o trabalho em equipe. Por isso, a competência baseada na empatia é extremamente valorizada no ambiente corporativo.



PERCEPÇÃO



Significa perceber extintamente o que acontece ao redor, ser capaz de adaptar rapidamente para mudanças.



Fatores que influenciam a percepção: os olhos são os órgãos responsáveis pela visão, um dos sentidos que fazem parte da percepção do mundo. Isto quer dizer observar muito bem o meio que viver antes de tomar qualquer decisão, principalmente errada.



Tipos de Percepção nos seres humanos as formas mais desenvolvidas são a percepção visual e auditiva.



Também existe a percepção:



• Espacial envolve a distância e o tamanho relativo dos objetos.

• Temporal, as pessoas são capazes de sentir a passagem do tempo.

• Social é sentir as diferenças existentes na sociedade. As características humanas nesta percepção é identificar no relacionamento social as diversas ações discriminativas existente no ser humano, a qual percebendo deve-se corrigir automaticamente.



ATITUDE



Significa uma maneira organizada e coerente de pensar, sentir e reagir em relação a grupos. As atitudes de um sujeito dependem da experiência e vida que uma pessoa tem.



Atitudes possuem três componentes básicos:



• Componente cognitivo: Que são os nossos pensamentos e crenças.

• Componente afetivo: Que são os nossos sentimentos e emoções.

• Componente comportamental: Que são as nossas tendências para reagir.



Atitudes podem ser classificadas:



• A atitude operacional: Pode ser: arrojo, eficácia, eficiência, deliberativa, cooperativa, adaptável, responsável, coerente, concentrada, perseverante, pragmática, organizada.

• A atitude social: Pode ser: diplomática, participativa, impecável, reverente, madura, altruísta, provedora, modesta, entusiástica.

• A atitude emocional: Pode ser: amorosa, generosa, autêntica, apreciativa, pura, sensual, alegre, prazerosa, meditativa, libertadora, paternal, compassiva, poética, inocente, tolerante.



As atitudes e comportamentos se formam:



• Pelos resultados de nossa própria experiência.

• Nossas tendências e preconceitos perceptivos.

• Nossas observações das reações de uma outra pessoa a uma situação específica.

• Nossa observação dos resultados das experiências de outra pessoa.



A diferença entre atitude e comportamento é que atitude é intenção e, comportamento é ação.



Como a atitude é uma intenção de se comportar de uma certa maneira, a intenção pode ou não ser consumada, dependendo da situação ou das circunstâncias. Mudanças nas atitudes de uma pessoa podem demorar muito para causar mudanças de comportamento que, em alguns casos, podem nem chegar a ocorrer. As atitudes de um sujeito dependem da experiência que tem da situação à qual deve fazer frente.



Atitudes no Ambiente Profissional dentro das empresas realmente reflitam traços da personalidade de uma pessoa, mas certamente refletirão o momento que ela vive e que este sim determina as atitudes que ela tomará.



Hoje em dia não há mais espaço no mercado de trabalho para profissionais medíocres, desqualificados e despreparados para a função a ser exercida.



COMPETÊNCIA



É a pessoa capaz de realizar alguma coisa. Para ser contratado em uma empresa ou para a sua manutenção de emprego não basta ter diplomas e mais diplomas se não existir competência. Diplomas servirão para dar referencial ao profissional ou até mesmo para enfeitar a parede da sua sala, mas a competência é o fator chave que atrelada à diplomação lhe dará subsídios profissionais para ser bem sucedido. Por isso podemos afirmar categoricamente que a competência não é composta pelo diploma por si só, apesar de que ele contribui para a composição da competência.



COMPORTAMENTO



Comportamento é definido como o conjunto de reações de um sistema dinâmico em face às interações e realimentações propiciadas pelo meio onde está inserido. O comportamento subdivide-se em: comportamento social, comportamento humano, comportamento animal, comportamento atmosférico.



INSTINTO E CULTURA



São clássicos do comportamento de duas classes de seres vivos:



Os Insetos - Estes seres praticamente não têm aprendizado e nascem com quase toda a informação que precisam para sobreviver. Vivem grupalmente, mantendo classes sociais e uma vida absolutamente regrada. Ou seja: nascem com toda a informação que precisam para a vida.



Os Mamíferos - São seres com comportamento social e que precisam da convivência em grupo, fundamentalmente na infância, para adquirir o conhecimento, a experiência e o acúmulo de sucessos das gerações anteriores, transmitidos culturalmente e não no equipamento genético.



Os comportamentos são divididos em duas classes: Respondente e Operante.



Comportamento Respondente - È que conhecemos como ações involuntárias ou reflexos. Por exemplo: a ação de componentes físicos do corpo, como as glândulas, a sudorese, espasmos musculares etc.



Comportamento Operante - São as ações voluntárias. Por exemplo, a ação de músculos que estão sob controle espontâneo, como comer, falar, andar.



Comportamentos que o profissional deve evitar são características que prejudica o próprio profissional, sendo elas:



• Falar demais - Aqueles profissionais que são os primeiros a propagar as notícias ou as “fofocas” dentro da empresa, chamados “rádio peão”. Recebem uma informação, sequer sabem se são confiáveis, mas passam adiante, incluindo informações que sequer existiam inicialmente, alterando totalmente a informação recebida.

• Falar mal dos outros – Principalmente se não tem coragem de falar algo na frente do seu colega, nunca fale pelas suas costas.

• Viver mal-humorado - Ninguém tem a obrigação de estar sorrindo todos os dias, mas isso não significa que temos o direito de estar sempre de mau humor.

• Não ter higiene pessoal.

• Não respeitar os demais e é egoísta – O respeito aos outros é fundamental para o convívio em grupo e também pensar somente em si mesmo o tempo todo não é a melhor alternativa para o profissional.

• Brincar demais em serviço- Perde a credibilidade profissional e pode trazer problemas no ambiente de trabalho.

• Profissionais que são inflexíveis - É importante que todos nós tenhamos em mente que não estamos certos o tempo todo e nem tampouco precisamos fazer valer perante os outros as nossas próprias idéias a todo o momento.



EQUILÍBRIO EMOCIONAL



As empresas querem que deixemos o nosso saco de problemas em casa. Por outro lado, os nossos familiares querem que deixemos nosso saco de problemas no trabalho.



Diante disso, a pergunta que surge é: onde colocar nosso saco de problemas?



Para tornar-se um profissional de sucesso é necessário que tenhamos equilíbrio emocional, pois não importa quais problemas tenhamos de caráter pessoal, nossos colegas de trabalho, subordinados, diretores e gerentes, enfim, as pessoas como um todo não tem culpa deles e não podemos descarregar esses problemas neles.



O incentivo pode vir de fora, mas a motivação é individual!



ASSERTIVIDADE (AFIRMAÇÃO)



A Assertividade é a arte de defender o espaço vital sem recuar e sem agredir. Ser assertivo é ser pacífico sem ser passivo.



Ser assertivo no dia a dia é:



• Corrigir o profissional igual a você não constringindo o mesmo.

• Permanece calmo e confiante mesmo quando se confronta com sarcasmos ou críticas de qualquer ordem assim como quando mantém a calma diante de situações embaraçosas.

• Procurar resolver os problemas diretamente, sem julgar ou culpar os outros e a si mesmo.

• Saber que é mais importante ser justo consigo mesmo do que querer agradar a todos bem como quando fala o que quer e não espera que as pessoas adivinhem.

• Resolver satisfatoriamente as questões que envolvem confronto com outras pessoas e quando afirma seu ponto de vista com respeito pelos outros.

• Falar o que é para ser dito e não espera que os outros entendam pela sua cara fechada.

• Ser direto nas ações perante o seu grupo de companheiros de serviço.

• Saber falar é melhor do que usar a expressão corporal como apontar o dedo para os outros.

• Saber que sim é sim e que não é não, distinguindo bem o momento de usá-los.



Não ser assertivo no dia a dia é:



• Perde a cabeça quando se confronta com sarcasmos ou críticas de qualquer ordem.

• Perde a calma com facilidade diante de situações embaraçosas.

• Ao invés de resolver os problemas diretamente, começa a julgar ou culpar os outros e a si mesmo.

• Por querer agradar a todos, é injusto consigo mesmo.

• Espera que as pessoas adivinhem o que quer.

• Foge das questões que envolvem confronto com outras pessoas.

• Só aceita seu ponto de vista e perde o respeito pelos outros.

• Perde a paciência e não aceita as diferenças.



CARACTERÍSTICAS DA ASSERTIVIDADE



• Auto-Estima: assertividade pressupõe a auto-afirmação do indivíduo e não auto-lisonjeiros ou presunções (vaidades).

• Determinação.

• Empatia: Consiste na capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, procurando compreendê-lo, e pressupõe uma boa capacidade de escuta, bem como uma capacidade de descentralização da nossa pessoa.

• Adaptabilidade: Capaz de se colocar à altura do seu interlocutor (ex: se estamos falando com crianças ou adultos, se estamos falando com um familiar ou com um desconhecido).

• Auto-Controle: Controlar os sentimentos e emoções negativas de modo a não interferir na relação com o outro.

• Tolerância à frustração.

• Sociabilidade: deve ter prazer em comunicar e relacionar-se com os outros.



Assertividade é estar presente, por inteiro, sempre e, não só permitir, mas incentivar que as demais pessoas à sua volta também ajam de forma semelhante.



Ser assertivo é deixar de ser perfeito, é aceitar e expor as suas falhas, as suas emoções e opiniões cruas e não "politicamente corretas", o seu lado humano incoerente, mas real



Assertividade tem a ver com Empatia. Você aceita e ama o seu próximo na mesma e exata medida que aceita e ama a si mesmo.



É importante entendermos que todas as pessoas precisam praticar e exercer a assertividade quando:



• Trabalha com público,

• Vive em família ou comunidade,

• Relaciona-se com pessoas.



O Poder da Assertividade é saber dizer não, nunca responda sim apenas para manter o clima de paz. Saiba discordar e expor seus argumentos, porém sem ofender. Não leve para o lado pessoal opiniões distintas da sua. Quando não concordar com algo dito em uma reunião, por exemplo, fale: “Tenho uma outra sugestão que gostaria de compartilhar com vocês”.



O Poder da Assertividade necessita seguir adequadamente os devidos passos:



• Planeje: Procure anotar metas e pensamentos. Troque-os com pessoas de diferentes áreas da empresa. Ao pedir opinião, esteja preparado para as possíveis críticas.

• Não tenha vergonha de esclarecer dúvidas, se algo não ficou claro, não finja que entendeu. Uma segunda explicação irá poupá-lo de refazer o trabalho e pode ajudar a desenvolver a tarefa com mais confiança.

• Mantenha o autocontrole, em situações difíceis, use a racionalidade para dominar emoções. Não há nada pior do que trabalhar com pessoas que perdem a linha e tornam o ambiente de trabalho pesado.



RELACIONAMENTO



Na relação interpessoal para que consiga conviver e se relacionar bem na sociedade precisa saber realmente:



• Como eu me vejo?

• Como as pessoas me vêem?

• Como você constrói o que você é, junto aos outros?

• Como se relacionar com as outras pessoas?

• Como construir uma reputação?

• Como você constrói o que você é?

• Como você pode e deve se relacionar com pessoas?

• Como transformar a relação de vida para com o meio que vive?



A resposta a estas indagações envolve todos os aspectos do relacionamento, sendo:



• Pessoal

• Sociais

• Profissional



Em resumo conviver nestas três áreas humanas a qual o individuo deve saber se relacionar.



Em uma relação podem acontecer quatro maneiras de se relacionar:



1. Ganha e o outro perde.

2. Perco e o outro ganha.

3. Todos Ganham.

4. Todos Perdem.



A melhor forma de relacionamento é aquela em que todos ganham. Se agirmos desta forma, estaremos construindo relacionamentos sólidos e honestos.



O histórico dos seus relacionamentos define quem você é perante as outras pessoas, independentemente do que você julga quem você é.



O relacionamento profissional deve estar ligado ao pessoal, sabendo assim separar as amizades do relacionamento profissional, o que não quer dizer que você tenha que optar por um dos dois, pois podem ser conciliados em sua vida desde que você saiba separá-los de uma maneira que não lhe traga prejuízos.



CORDIALIDADE



Significa coração. Portanto, o homem cordial é uma pessoa gentil, sendo aquele que age movido pela emoção no lugar da razão.



Precisa-se lembrar que as empresas trabalham se relacionando com:



• Os funcionários.

• Os clientes.

• Os fornecedores.

• Os acionistas.

• A sociedade onde vive e atua.



Por isso a visão que as empresas têm de seus colaboradores é que eles devem agregar valor a todos os relacionamentos, e não somente às amizades pessoais.



A expressão “falar bem” não é simplesmente ser um bom palestrante, mas sim saber usar cordialmente as palavras.



Verifique o mesmo assunto sendo falado de forma diferente::



• Entra aí, a moça já vem te atender.

• Entre, por favor, a moça já vai atendê-lo! Enquanto isso fique à vontade.



A diferença entre as formas não é apenas uma questão gramatical. Quando usada a cordialidade, a forma de contato é muito mais agradável. Podemos afirmar que quando somos cordiais, somos mais percebidos em nossas mensagens.



Quanto mais ser cordial, mais nos fazemos entendidos! Quanto mais se é afável ao falar, mais se é bem recebido.



Pode-se concluir que falar bem é uma questão de cordialidade. Seja gentil ao tratar as pessoas para que as mesmas lhe retribuam.



Utilize sempre as palavras:



• Muito obrigada;

• Obrigado;

• Ficaremos agradecidos;

• Por favor;

• Por gentileza;

• Faça-me a gentileza;

• Por obséquio;

• Tenha a bondade.



A pessoa que tem boa comunicação no trabalho, na escola, em casa ou qualquer lugar que seja, é o mais ouvido, é o mais obedecido, é o mais procurado, é o mais benquisto. Precisamos entender que para nos comunicarmos bem e sermos entendidos, precisamos ser cordiais!



Portanto relacionamento interpessoal envolve a capacidade do ser humano de experimentar e discernir padrões, experimentar atrações do futuro e de sonhar e também de realizar potenciais.



Se me conheço, tenho capacidade de estabelecer relacionamentos saudáveis, já que conseguirei reconhecer o outro também!



REFERÊNCIA BIBLIOGRAFIA



Esta no livro MARQUES, Wagner Luiz. DIÁRIO DE UM EMPREENDEDOR - A REAL INFORMAÇÃO PARA OS GESTORES DE SUCESSO. Gráfica Vera Cruz. Cianorte – Paraná e http://books.google.com.br. .

MARQUES, Wagner Luiz. CONTABILIDADE GERENCIAL A NECESSIDADE DAS EMPRESAS. Gráfica e Editora Bacon Ltda. Cianorte. 2004.



BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR



BIBLIOGRAFIAS



ANTONY, Rbert N. Introdução à Contabilidade Gerencial, Tradução Luiz Aparecido Caruso, Activity - Based - Costing (ABC), A poderosa estratégia Empresarial, São Paulo, Editora Pioneira,1994.

CALDERELLI, Antonio. Enciclópedia contábil e comercial brasileria, CETEC, São Paulo, 1999.

CREPALDI, Silvio Crepaldi, Contabilidade Gerencial, Ed. Atlas, São Paulo, 1999.

CRC-SP e IBRACON - Curso de Contabilidade Gerencial, São Paulo, Atlas, 1993.

Equipe de Professores da USP - Contabilidade Introdutória.

FIGUEIREDO, Sandra e Caggiano, Paulo Cesar - Controladoria (teoria e pratica) - São Paulo, Atlas, 1992.

FIPECAPI, Manual de Contabilidade das S/A. São Paulo: Atlás.

FIPECAF, Manual de Contabilidade das Sociedades por Açoes, aplicavel também as demais sociedades, 3ª edição, São Paulo Atlas, 1991

FRANCO, Hilario. Contabilidade Comercial. Ed. Atlas

FRANCO, Hilario - Contabilidade Geral.

HORNGREN, Charles T. Introdução à contabilidade gerencial.

LUIZ, Sinclayr. Organização e Técnica Comercial. São Paulo: Editora Saraiva, 1994.

MAGALHÃES, Antonio de Deus F. et all. Sistemas Contábeis, São Paulo, Editora Atlas, 2000.

MUSSOLINI,Orru - Contabilidade Geral: Fundamentos. SãoPaulo: Scipione, 1990.

PIZZOLATO, Nélio D., Introdução à contabilidade Gerencial, Edit. Makron Books, São Paulo, 1999.

RIBEIRO, Osni Moura - Contabilidade Básica.

RIBEIRO, Osni Ribeiro. Contabilidade Comercial Fácil. Ed.Saraiva

SÁ, A. Lopes. Plano de Contas. São Paulo: Ed. atlás. 6ª Ed. 1989.

SLACK, Nigel, et all. Administração da Produção. Editora Atlas, São Paulo, 1999.

STANDERSKI, Wlademiro. Contabilidade Aplicada à Empresa.São Paulo: pioneira.

Treinamento Programado da IOB. Curitiba.

WALTER, M. Augusto. Normas Contábeis. Atlás.



Professor Dr. Wagner Luiz Marques e Família para todos os leitores de meus artigos. Obrigado.



Endereços eletrônicos: wagnercne1@gmail.com; wlmcne@hotmail.com; Endereço por correspondência: Wagner Luiz Marques Rua Fernão Dias, 1994 Zona 01 CEP- 87.200-000 Cianorte – Paraná. Telefone: 44-3629-5578 - Celular: 44-9977-6604.





PALAVRAS-CHAVE: EDUCAÇÃO; QUALIDADE; VONTADE; ENTUSIASMO; FORÇA; EXCELÊNCIA; PROFESSOR; MERCOSUL; REVALIDAÇÃO; DOUTORADO; MESTRADO.



Nenhum comentário: